Estudo da Polícia Científica e UFSC revela perigos ocultos dos cigarros eletrônicos » Rádio Colmeia FM

Escute a rádio

Estudo da Polícia Científica e UFSC revela perigos ocultos dos cigarros eletrônicos


2 de julho de 2024

Apesar da proibição, uso dos ‘vapes’ tem aumentado, especialmente entre os jovens

Fotos: PCISC

A Polícia Científica de Santa Catarina (PCISC), em colaboração com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), realizou um estudo sobre os perigos associados aos Dispositivos Eletrônicos para Fumar (DEFs), também conhecidos como cigarros eletrônicos, vapes ou pods. Apesar da proibição desses dispositivos no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que impede sua fabricação e comercialização, o uso tem aumentado, especialmente entre os jovens. O estudo, apresentado no Congresso Brasileiro de Toxicologia, focou na análise química de amostras apreendidas em Joinville. Utilizando técnicas como Cromatografia Gasosa acoplada à Espectrometria de Massas (GC-MS), foram examinadas amostras de três marcas distintas de DEFs.

Os resultados mostraram a presença de octodrina, uma substância estimulante do sistema nervoso central não declarada nas embalagens dos produtos. Também conhecida como dimetilhexilamina (DMHA), a octodrina possui propriedades semelhantes às anfetaminas e apresenta riscos significativos à saúde, incluindo efeitos adversos cardiovasculares e potencial para dependência. A detecção dessa substância em todas as amostras analisadas levanta preocupações quanto à falta de transparência na composição dos DEFs disponíveis no mercado clandestino. Os achados alertam para o risco ainda maior do consumo desse tipo de dispositivo.

Para a perita criminal bioquímica Gisele Parabocz, uma das responsáveis pela análise, “a investigação detalhada desses produtos em Santa Catarina é essencial para entender melhor os riscos associados ao seu consumo e para embasar políticas públicas de saúde mais eficazes. Ela enfatiza a importância da fiscalização rigorosa desses produtos irregulares”. Este estudo colaborativo entre a PCISC e a UFSC destaca o papel da ciência forense na identificação e mitigação dos riscos à saúde pública. Projetos futuros estão planejados para expandir a pesquisa, incluindo uma maior diversidade de amostras, visando fornecer mais insights sobre a composição química dos DEFs e seus potenciais efeitos adversos.

A perita-geral Andressa Boer Fronza destaca que “este tipo de estudo é muito importante e mostra o alto valor da colaboração entre a Polícia Científica e a comunidade científica, enfatizando que essa é também uma das atribuições da PCISC”.

Compartilhe a matéria nas redes sociais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia outras matérias relacionadas:


Colapso Digital: Impactos no Brasil

Nesta sexta-feira, 19 de julho de 2024, um apagão cibernético global causou problemas em sistemas de diversos setores no Brasil e no mundo. Companhias aéreas, hospitais, varejistas e outros negócios foram afetados. A interrupção começou com uma falha em uma atualização de segurança da CrowdStrike, impactando dispositivos Windows e causando problemas com serviços do Microsoft […]

No Paraná, 75,8% da frota tributada pagou IPVA lançado em 2024; veja como regularizar

Os proprietários pagaram R$ 4,99 bilhões, o equivalente a 77,7% do valor lançado – segundo dados lançados até o dia 15 de julho. Desse total, R$ 4,69 bilhões foram quitados integralmente e R$ 295,2 milhões foram recebidos sob a forma de pagamento parcial. Após 30 dias de atraso, imposto devido é acrescido de juros e […]

Sobremesa cremosa de domingo

Receita enviada pela ouvinte Zilda Ignaszewski de Paulo Frontin Ingredientes – 1 caixinha de leite condensado – 2 caixinha de creme de leite – 1 suco em pó abacaxi (ou qualquer outro de sua preferência) – 2 colheres de sopa de coco ralado (opcional) Modo de preparo Bater todos os ingredientes do liquidificador por 2 […]