A busca dos super ricos pela imortalidade financeira » Rádio Colmeia FM

Escute a rádio

A busca dos super ricos pela imortalidade financeira


31 de janeiro de 2024

Numa trama que parece saída de um livro de ficção científica, alguns super ricos estão desafiando a morte de uma maneira peculiar: congelando seus próprios corpos na esperança de serem ressuscitados quando a ciência alcançar esse feito extraordinário. Esse processo é conhecido como criogenia, uma alternativa à tradicional sepultura ou cremação, onde o corpo é congelado e preservado com produtos químicos.

O que torna essa prática ainda mais intrigante é o motivo por trás dela. Alguns bilionários estão aderindo à criogenia não apenas na busca da imortalidade pessoal, mas também com a esperança de manterem suas fortunas indefinidamente, sem precisar transferi-las para herdeiros ou familiares.

Nos Estados Unidos, onde a prática ganha notoriedade, o dinheiro de alguém falecido pode ser mantido em um fundo por até 90 anos. No entanto, os “candidatos a imortais” estão investindo ativamente para mudar a legislação e assegurar que suas fortunas permaneçam guardadas para sempre, em um gesto de ousadia e confiança no progresso futuro da ciência.

Mas como funciona esse processo de criogenia? Os corpos são colocados em tanques preenchidos com nitrogênio líquido, mantidos a uma temperatura incrivelmente baixa de -196 °C, menos do que a Antártida. Esses tanques custam, no mínimo, mais de R$ 1 milhão para serem mantidos indefinidamente. Vale ressaltar que até o momento, ninguém que passou por esse processo retornou à vida. A escolha de se submeter à criogenia é movida pela esperança de que a ciência evolua ao ponto de tornar possível a ressurreição.

A empresa americana de criogenia Alcor, fundada em 1967, é uma das pioneiras nesse campo. Atualmente, ela mantém 225 corpos congelados, além de ter mais de mil pessoas que já pagaram para passarem pelo processo após a morte. O cenário da criogenia revela uma perspectiva única sobre como os super ricos estão dispostos a investir milhões na tentativa de transcender as barreiras da mortalidade e manter um controle eterno sobre suas riquezas. Enquanto a ciência busca avançar, esses “pioneiros” da criogenia aguardam, congelados no tempo, pela possibilidade de um renascimento ainda inexplorado.

**Hora7

Compartilhe a matéria nas redes sociais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia outras matérias relacionadas:


Inaugurado primeiro frigorífico de coelhos do Planalto Norte Catarinense

O Planalto Norte saiu na frente e nesta sexta-feira, 12, inaugurou o primeiro frigorífico de coelhos do Estado com registro no Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi-POA) emitido pela Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc). O Frigorífico da Associação dos Pequenos Agricultores Ecológicos e Orgânicos (Apaeco) fica na Colônia […]

Está chegando a 3ª Caminhada Intermunicipal “Caminho da Erva Mate”

A caminhada acontece entre União da Vitória e Porto Vitória Uma caminhada que reúne o que há de mais bonito e aprazível: O ambiente preservado de uma floresta, o rio Iguaçu, a força econômica da erva-mate que se revigora distribuindo riqueza e o Parque Histórico Iguassu, local icônico onde acontecerá a largada. A equipe organizadora […]

Associação Arte do Porto entrega nesta quinta o Troféu Valor Cultural

O prêmio é um reconhecimento ao excelente trabalho dos artesãos do município, que batalham pela manutenção de técnicas manuais e étnicas Na noite desta próxima quinta-feira, 18 de abril de 2024, as 19h30min, acontece na Sala de Eventos do Armazém 1, na Estação União em frente à Praça Hercílio Luz, a entrega do Troféu Valor […]