Rádio Colmeia Problema da falta de água em UVA se deu por furto de cabos, diz gerente regional da Sanepar » Rádio Colmeia

Escute a rádio

Problema da falta de água em UVA se deu por furto de cabos, diz gerente regional da Sanepar


26 de abril de 2021

Foto: Sanepar

Os problemas com a falta de água no Vale do Iguaçu continuam com frequência. Na última semana e também nesta segunda-feira, 26, vários munícipes reclamaram da falta de água ou de água suja saindo das torneiras. O gerente regional da Sanepar, Bolivar Menoncin, falou com exclusividade na edição de hoje do Jornal Colmeia e esclareceu o ocorrido.

Para os bairros Cristo Rei e Muzolon o problema se deu pelo furto de alguns cabos de linha física, que são cabos telefônicos. De acordo com Menoncin, as operações são controladas por um centro de controle operacional. A comunicação entre as bombas e a central se dá de duas formas: algumas por meio de linha física (cabos telefônicos) e outras via rádio. Com o furto desses cabos houve então o problema de falta de água.

O serviço de telefonia já está resolvendo o problema e até o final desta tarde é esperado que a situação seja normalizada. As bombas funcionam de acordo com a demanda de cada região. O monitoramento do funcionamento é essencial para que não haja uma pressão muito alta na tubulação e a mesma venha a se romper, principalmente na madrugada que é um período em que o consumo caí bastante.

Para o gerente regional da Sanepar, o sistema de abastecimento traz muitos desafios e acaba sendo percebido de uma única forma pelo cliente: a falta de água e/ou a água turva na torneira. Ele coloca que esse problema se dá por meio de diversas situações, “não acontece de uma mesma forma”, diz.

Água turva

A água turva nas torneiras é causada principalmente pela movimentação da água em função da pressurização e despressurização da rede. Menoncin cita os dois eventos de falta de água no mês de março e abril. Em abril o problema se deu especificamente por falta de energia. Um eucalipto foi cortado e caiu em cima da rede elétrica da Copel, próximo à uma estação de tratamento da Sanepar. Com isso a empresa não conseguiu estabelecer de imediato a volta de energia para que o abastecimento de água não fosse comprometido. O concerto levou quase 5 horas. “Nesse período a gente não conseguiu produzir água porque desabasteceu”, afirma.

Moradores do bairro Cidade Jardim, São Basílio Magno e Rocio também reclamaram da água suja saindo das torneiras. De acordo com o gerente regional, da estação de tratamento não saí água turva. Caso não seja possível produzir água dentro do padrão de qualidade exigido pela legislação, não é realizada a distribuição. “Se a opção nossa for faltar água ou distribuir água fora do padrão, nós vamos deixar faltar, mas não vamos distribuir uma água fora do que a legislação exige”, coloca.

Orientações

Os problemas com a água estão relacionados com a velocidade da rede. Há vários eventos rotineiros que ocasionam as situações de falta de água como, vazamentos e rompimentos, oscilações de energia que fazem as bombas ligarem e desligarem, falhas mecânicas nos motores das bombas e oscilação de pressão na rede.

Normalmente quando o abastecimento se normaliza, ao abrir a torneira a água saí turva. É orientado que deixe a torneira aberta até a água vir limpa. Caso não ocorra, é pedido que se acione a Sanepar pelo 0800 ou outros canais de reclamação listados ao final desta matéria. Assim, uma equipe será acionada para verificar se a água que está turva é proveniente da rede e então tomar todas as providências necessárias.

É importante reportar as reclamações, não só para resolver o problema o mais rápido possível, mas para que um histórico da região seja gerado. Com isso a Sanepar conseguirá realizar um planejamento de ações futuras que tenham subsídios para resolver os problemas que surgirem.

Lembrando que a água branca indica uma questão de qualidade, pois são microbolhas de ar dissolvidas na água. “Essa água poder ser consumida sem problema algum”, afirma Menoncin.

Infelizmente os bairros mais distantes e mais altos são mais suscetíveis aos problemas com a falta e pressão de água. Se há um vazamento, por exemplo, 5km antes em um bairro vizinho, mas que utiliza a mesma linha para levar água a parte alta, haverá um problema de despressurização.

“A gente procura morar mais no alto, em União da Vitória e Porto União, porque tem medo das enchentes. A enchente não vai chegar na parte alta, ou se chegar, vai ser o último local. Com o abastecimento é o contrário, quando falta, é na parte alta que falta primeiro e é na parte alta que reestabelece por último”, finaliza.  

Ouça a entrevista na íntegra:

Serviço para reclamações e pedidos

0800 200 0115

Site: http://site.sanepar.com.br/

Aplicativo Sanepar Mobile: https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.sanepar.saneparmobile&hl=pt_BR&gl=US

Atendimento presencial: Rua Visconde de Guarapuava, nº 80, centro de Porto União

Compartilhe a matéria nas redes sociais:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia outras matérias relacionadas:


União da Vitória confirma mais três óbitos por Covid-19 e soma 84 mortes pela doença

União da Vitória confirmou mais um óbito em decorrência da Covid-19 neste sábado, 15. O município soma agora 84 mortes pela doença. De acordo com a secretaria de Saúde, as vítimas tem 47, 64 e 67 anos. Confira nota na íntegra: Pacientes de 47, 64 e 67 anos com comorbidades como obesidade mórbida, insuficiência cardíaca, […]

STF decide que censo deverá ser realizado em 2022

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (14) que o Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) deverá ser realizado em 2022. A contagem populacional estava prevista para 2020, foi adiada para 2021, devido à pandemia do novo coronavírus, mas problemas orçamentários a inviabilizaram.  Por maioria de votos, os ministros concordaram parcialmente com a […]

Câmara de Vereadores de Porto União libera 30% de público presencial nas sessões

A Câmara de Vereadores de Porto União, por determinação do seu presidente Gildo Masselai (PSDB), liberou a presença de público em 30%.  A liberação foi feita através da resolução N° 275/2021, que diz “Fica autorizado o acompanhamento das sessões presenciais pelo público, devendo ser respeitadas as seguintes medidas: Limite de ocupação 30% (trinta por cento), […]